janeiro 1, 2014

Aprecio o drama enquanto arte
Luz e sombra
Grandes tragédias
Mentes perturbadas
A escuridão do coração humano

Contudo, vivo isso
Não consigo estar apenas de passagem
Me importo com tudo
Com o mar de impaciência e incerteza
Com a certeza de que se está sempre só
Com a verdade que surge no peito vez ou outra
Com a verdade de que tudo é tão fugaz
Que nunca haverá estabilidade
Que a constância é a inadaptação
Que tudo é estranhamento
Que sofisticamos o bestial
Mas o bestial continua bestial

Vive-se numa ilusão de que procuramos o ideal
Mas queremos mesmo é chafurdar no lixo
E não há virtude que resista ao tempo
“Oh admirável mundo novo que encerra criaturas tais”
Entenda-se mundo novo como aquele depois do salto da racionalidade
Osso, arma e bomba