Aforismas parte 2

abril 24, 2011

Talvez isto seja reflexo de uma certa convivência twíttica, mas acredito mais na idéia de que quero dizer muitas coisas de uma vez só, assim, sintetizar é a melhor saída.

Achar-se tolerante e achar-se alguém que transita por várias áreas, tribos e grupos é um erro primário e lamentável.

Pinçar, copiar e colar coisas sobre um determinado tema na internet não faz o seu site/blog interessante e genial (nenhum é no fim das contas, estando de mau humor).

De comum nos extremos há a inegável imbecilidade.

Expor-se demasiadamente (pode ser internet também) é fornecer munição para os inimigos e aporrinhar os amigos.

De todas as falhas, o orgulho e a arrogância são os imperdoáveis.

Caçoar dos fracos só te faz imbecil e muito, muito fraco de caráter.

Por mais quieto e lesado que alguém possa parecer, ele certamente é muito menos isso do que você pensa.

Por isto, um abraço e um sorriso não compensam meses de indiferença.

Parece extremamente ingênuo pensar sua pequena segmentação, sua opção minoritária é o supra-sumo do universo. Pois é.

Por fim,  gostaria de acreditar numa justiça metafísica, divina, ou do fluxo da vida, enfim, mas tá difícil.

Ps.: Uma certa frase metalinguística que postei no Twitter faz sentido para além daquele determinado meio, e é passível para esta seguinte expansão: A internet é o reino onde tudo se torna domínio público em menos de 10 minutos.