C2H5(OH)

setembro 20, 2008


O etanol é historicamente um companheiro humano. Desde a cerveja egípcia aos destilados escoceses. Ainda é um companheiro simiesco, já que, em determinadas espécies de macaco, é feita a ingestão de frutas passadas, que possuem uma leve graduação alcoólica (os açúcares da fruta são convertidos quimicamente no célebre álcool etílico). Excluindo a parte convencional do bombardeio maciço das propagandas, e a tentativa de atrelar o álcool à alegria, jovialidade e bem-estar, há mais profundas relações na vontade de transcendência etílica.

Somos dotados de instintos diversos, que nem sempre condizem com o comportamento exigido pela nossa sociedade opressora, cheia de valores pré-concebidos. Entre o desejo e a consumação, há o entrave do superego, posto por Freud como instrumento de coerção dos anseios que não são “aceitáveis” ao convívio social, em suma, nossa ferramenta de julgamento intermediária entre o querer e o realizar. E o álcool age exatamente aí, suprime o supergo e estamos livres, na consciência ao menos, para fazer o que quiser, pois, naquele momento, tudo é da lei. Não me arriscarei a entrar na parte química do processo, entretanto o que há de mais importante sobre as conseqüências posso analisar.

O composto orgânico constituído por dois carbonos e uma hidroxila ligada à cadeia principal é a representação química do senso libertário. Agente motriz de realizações únicas, tanto positivas quanto negativas. Entretanto é preciso relevar em partes o que traz de ruim, já que, independentemente da sobriedade se cometem inúmeros absurdos, e se são libertas posturas naturais, como se pode contestar sua validade? Devemos nos libertar de reles deliberações que formam uma sociedade doente e reprimida. Contendo os excessos, e pondo certas delimitações para que seja mantida a liberdade alheia, é muito benéfico. Sejamos liberais sociais, a mínima intervenção do poder central no campo individual!


Eu dou azar.

setembro 18, 2008

Pelo já visto toda vez que invento de falar de futebol dá tudo errado. Apostei numa goleada no Santo André. A goleada foi DO Santo André… Apostei num triunfo apertado contra o Paraná. Resultado : Mais um foguete.

Tenho que parar com isso… Desse jeito o time terá uma sequência enorme de derrotas vexatórias! E além disso não sei a extensão da maré de má-sorte, pode até atingir outras áreas! Evitarei prever coisas como :

“A viagem será tranquila!” (Sério risco de acidente)

“Que nada, ela te ama.” (Separação iminente, possível traição com o melhor amigo)

“Boa sorte no teste de habilitação!” (Acidente monumental com explosões e prédios destruídos [e sem conseguir a habilitação])

“Você irá adorar o restaurante!” (Justamente no dia o cozinheiro trocará os temperos e a comida sairá pior do que a do presídio)

“Você vai gostar do meu blog!” (Pára no título e fecha a janela [espero que isto não ocorra!])

Mas, deixando o fatalismo de lado, dá para visualizar que determinados fatores são conjugados, e resultam em acontecimentos razoavelmente previsíveis. Relaxe, caso você vá fazer alguma das coisas que previ, não há o que temer (ou não).


Encontro vermelho, azul e branco.

setembro 16, 2008

Após um bom resultado com o incrivelmente fraco Criciúma, o Bahia enfrenta outro incrivelmente fraco, só que desta vez o Paraná. Não por acaso os dois oponentes citados brigam no “Dark” G4… 

Além do encontro de clubes com as mesmas cores, há o reencontro com o ex-técnico Paulo Comelli, aquele do quase-campeonato baiano, que mais reclamava que treinava. Segundo o reclamão treinador, a missão paranista é de atropelar os adversários em casa, começando pelo Bahia, que tem um relativo histórico de boas partidas fora da pseudo-casa em Feira de Santana.

É de suma importância um resultado positivo para a conclusão do campeonato, três pontos certamente irão motivar e dar um novo alento na embolada tábua da Segundona. Já que gato escaldado tem medo de água fria, vou conter a animação (não que apenas uma boa partida tenha gerado em mim isto). Basta torcer para que o time de maior torcida do Nordeste tenha de fato encontrado o bom futebol.

Palpite : Paraná 1 x 2 Bahia


O absurdo ainda vive.

setembro 9, 2008

Incrível ver como certas pessoas ainda tem a capacidade de regredir mentalmente no que tange na linha evolutiva da racionalidade. A princípio, o homem, incapaz de explicar os fenômenos da natureza tentava pôr sentidos nos eventos que o rodeavam em mitos e deuses da natureza, ao perceber que havia falta de lógica em adorar animais e objetos inanimados evoluiu para o monoteísmo transcendente, pondo na dúvida existencial humana um escapismo no etéreo e distante. Pois bem, após anos de atraso o homem finalmente chegou na era da ciência, a justificativa científica, dotada de lógica e constância de eventos seguindo determinadas etapas de um processo a ser estudado. Mas certos homens ainda possuem uma posição fatalista, seguem preceitos antiquados que visavam a dominação econômica e mental para manutenção da decadência mental e física de algumas religiões, privando-se da sua própria liberdade inerente à condição humana natural. O pior é que minha bandeira de liberdade foi proposta no século XVIII, mas ainda há os que vivem na Idade Média. Regredir é um crime. Ser produto da dominação ideológico-religiosa é negar sua própria condição humana.


A falsa independência.

setembro 7, 2008

Fogos, gritos de viva, desfiles… Tudo para comemorar o grito histérico ao Ipiranga, por sinal um córrego, não um rio. Que não passou de um conchavo entre as classes dominantes e que o povo nem de platéia pôde assumir o papel é algo mais do que debatido. Gostaria de analisar outro aspecto. Nós baianos comemoramos com independência o 2 de Julho de 1823, data em que as tropas portuguesas foram definitivamente expulsas da Bahia e findou com as resistências lusitanas ( ao saber da derrota na Bahia os portugueses contra-independentistas residentes na província Cisplatina renderam-se), logo aqui comemora-se o fato com a conquista de fato, não quando manifesta o desejo, o Brasil não se tornou independente com a crise de nervos do nosso D. Pedro. Seria algo meio absurdo a vida seguindo esta lógica torta. Seu time inicia o campeonato, vence e você comemora anos após o data da estréia. Você passa no vestibular e lembra com alegria do dia em que você se inscreveu. Mas não é de todo estranho, num país torto teremos heróis tortos e datas tortas.

Ps.: Ao menos isto não é só nosso, os estado-unidenses também comemoram o dia da proclamação…


É muito fácil.

setembro 6, 2008

Já é notória que a situação do time mais popular da Bahia é desesperadora,  e que aqueles que permanecem indefinidamente no poder são a fonte do calvário tricolor. Nem preciso argumentar mais para convencer alguém que não há compromisso nenhum da diretoria atual, mas partindo do pressuposto que algum desavisado tenha uma visão distinta do que é atestado, aí vão algumas medidas simples de emenda ao estututo (promessa de campanha da diretoria atual) que tornariam o clube bem mais moderno e próximo ao torcedor :

– Eleição do presidente pelos associados.

(Medida mais do que essencial, bandeira principal da torcida tricolor)

– Proibição de reeleição do presidente que houver exercido mais de metade de um mandato.

(Estimula a alternância de poder, e por conseguinte um ambiente de pluralidade e democracia)

– 300 conselheiros no total, eleitos pelos associados que cumpriram a carência.

(Tal como o presidente, o conselho deliberativo deve seguir a mesma linha de eleição)

– Necessidade de aprovação prévia do conselho para qualquer transação envolvendo atleta profissional.

(Para evitar polêmicas dispensáveis como a da venda de Daniel Alves)

– Necessidade de cotação de no mínimo três orçamentos para despesas administrativas superiores ou equivalentes a cinco salários mínimos.

(Suprimir a possibilidade de superfaturamento)

– Carência de seis meses para novos sócios.

(Incentivo à associação, conferindo direitos plenos num intervalo de tempo menor ao atual de um ano)

– Divulgação da contabilidade anual do clube aos associados.

(Transparecer tudo o que é feito no clube)

Mas isto se tornar parte do clube que é o difícil…


Vida de estudante.

setembro 2, 2008

Redijo esse texto após um dia absolutamente estafante! Não bastassem as aulas matutinas ainda bombardeiam com inúmeras aulas-extras, terminando então por chegar hoje às 18:00 h em casa. Mas, abstraindo o cansaço natural, retirei duas coisas relativamente importantes deste dia tão atribulado :

– Os anseios humanos são permeados de oblações do próprio bem-estar, o que, por conseguinte, torna-os mais justificáveis e dotados de sentido. “É chato chegar a um objetivo num instante…”

– Como é belo observar o mundo! Ao sair num horário fora do habitual, o já concebido no trajeto não existe mais, ver novas expressões no povo, ou mesmo sentir uma viração noturna até então desconhecida, traz de volta o imprescindível prazer animal de existir, feliz em encher os pulmões de ar, sentir o aroma vegetal, de ouvir o mar quebrando nas rochas, realmente Salvador é um estado de espírito!